Obtenha uma compreensão mais profunda da Leucemia Linfoblástica Aguda de adultos jovens e pediátricos (pALL), seu diagnóstico, sintomas, opções de tratamento e como CAR-T a terapia celular ajuda esses pacientes em sua jornada de câncer.

O que é Agudo Pediátrico
Leucemia linfoblástica (pALL)?

Leucemia Linfoblástica Aguda Pediátrica (pALL) é o tipo mais comum de câncer de sangue diagnosticado em crianças.1 Em uma criança com pALL, a medula óssea produz muitos linfócitos, um tipo de glóbulo branco. Quando isso acontece, essas células enchem a medula óssea e a impedem de produzir a quantidade normal de células sanguíneas saudáveis. Assim, afetando a capacidade do organismo de se defender e colocando a criança em maior risco de infecção.

“Agudo” significa que esse tipo de câncer é de natureza agressiva e geralmente piora rapidamente se não for tratado imediatamente.

CÉLULA B pALL

O que é Agudo Pediátrico de Células B
Leucemia linfoblástica (pALL)?

Como parte do sistema imunológico do corpo, as células B são defensoras naturais do corpo. Quando as células B se tornam cancerosas, elas podem crescer fora de controle e causar um tipo de câncer no sangue chamado Leucemia Linfoblástica Aguda Pediátrica de Células B.pALL).2

Na Leucemia Linfoblástica Aguda Pediátrica (pALL), as células anormais na medula óssea limitam a produção de glóbulos vermelhos que transportam oxigênio, outros tipos de glóbulos brancos e plaquetas. Como resultado, pALL os pacientes podem ser anêmicos, mais propensos a contrair infecções e hematomas ou sangrar facilmente.3 Enquanto muitas crianças com pALL se recuperam após o primeiro tratamento, alguns não.4

Você sabia? Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 55,767 casos de câncer5 foram diagnosticados em crianças do Sudeste Asiático de 0 a 14 anos em 2020.

DIAGNÓSTICO

Como é a Leucemia Linfoblástica Aguda Pediátrica (pALL) diagnosticado?

Para determinar se uma pessoa tem leucemia linfoblástica aguda pediátrica (pALL)6, o médico perguntará sobre o histórico médico da pessoa, o histórico médico da família, seguido de um exame físico para procurar possíveis sinais da doença, como linfonodos inchados.

Primeiro, um exame de sangue é desenhado para verificar as contagens de células do sangue, função hepática e renal. Se os resultados mostrarem um número elevado de glóbulos brancos anormais, pode ser um sinal de pALL. Sua equipe de atendimento pode encaminhá-lo a um hematologista para ajudar a orientar as próximas etapas do tratamento.

Para confirmar um diagnóstico de pALL, uma amostra da medula óssea é retirada para testes adicionais. Estudos de imagem, como exames de raios-X, tomografia computadorizada, ressonância magnética ou ultra-som, também podem ser feitos para uma melhor compreensão de onde as células de leucemia se espalharam.

SINTOMAS

Quais são os sintomas da Leucemia Linfoblástica Aguda Pediátrica (pALL)?

A falta de células sanguíneas saudáveis ​​causa a maioria dos sintomas da leucemia linfoblástica aguda pediátrica (pALL). Os sintomas comuns de leucemia linfoblástica aguda a serem observados incluem7:

  • Pele pálida
  • Sentindo-se cansado e sem fôlego
  • Infecções repetidas em pouco tempo
  • Sangramento incomum e frequente (como sangramento nas gengivas ou hemorragias nasais)
  • Temperatura alta
  • Suor noturno
  • Dores ósseas e articulares
  • inchaço dos gânglios linfáticos
  • Dor abdominal (causada por um fígado ou baço inchados)
  • Perda de peso
  • Contusões (ou pequenas manchas vermelhas ou roxas) na pele

Em alguns casos, as células afetadas podem se espalhar da corrente sanguínea para o sistema nervoso central. Assim, causando sintomas neurológicos (relacionados ao cérebro e ao sistema nervoso), incluindo dores de cabeça, convulsões ou convulsões, visão turva e tontura.

FATORES DE RISCO

Quais são os fatores de risco da Leucemia Linfoblástica Aguda Pediátrica (pALL)?

Os fatores de risco referem-se a qualquer coisa que aumente o risco de contrair câncer, mas não determinam o diagnóstico de Leucemia Linfoblástica Aguda Pediátrica.pALL) os pacientes podem ter poucos ou nenhum fator de risco conhecido. Segundo as estatísticas, o risco de desenvolver pALL é maior em crianças com menos de 5 anos de idade.19

Fatores sob seu controle

  • Exposição à radiação, certos medicamentos quimioterápicos e produtos químicos (como benzeno)
  • Fumar
  • Certas infecções virais
  • Condições genéticas (como síndrome de Down, síndrome de Klinefelter, anemia de Fanconi, síndrome de Bloom, ataxia-telangiectasia, neurofibromatose e síndrome de Li-Fraumeni)

Fatores fora do seu controle

  • Idade
  • Gênero
  • História de família

O que é Pediatria refratária ou recidivante
Leucemia linfoblástica aguda (pALL)?

O que é Pediatria refratária ou recidivante Leucemia linfoblástica aguda (pALL)?

Estudos demonstraram que com o tratamento adequado, pacientes com Leucemia Linfoblástica Aguda Pediátrica (pALL) tenho:

  • Taxa de remissão de 98% após 1 mês de terapia9
  • > 80% de taxa de cura9
  • > Taxa de sobrevida de 90% (taxa de sobrevida em 5 anos)10

Cerca de 20% dos pacientes com leucemia linfoblástica aguda pediátrica de células B (pALL) não terá sucesso com os tratamentos iniciais.11 Isso significa que o câncer não respondeu ao tratamento (leucemia linfoblástica aguda refratária).

Alguns pacientes que se recuperaram ou observaram uma diminuição nos sintomas da leucemia linfoblástica aguda relatam posteriormente ter um número menor de células sanguíneas normais, ao mesmo tempo em que observam um retorno das células leucêmicas na medula óssea. Isso significa que o câncer voltou (Leucemia Linfoblástica Aguda recidivada).

No passado, as opções de tratamento para pacientes com leucemia linfoblástica aguda pediátrica de células B recidivante ou refratária (pALL) incluíram quimioterapia, radiação ou transplante de células-tronco. Desde então, avanços científicos e pesquisas médicas abriram portas para novos tratamentos, como CAR-T terapia celular.

O que é Pediatria refratária ou recidivante Leucemia linfoblástica aguda (pALL)?

Quais são as opções de tratamento para Leucemia Linfoblástica Aguda Pediátrica (pALL)?

No tratamento do câncer, as opções e recomendações de tratamento dependem de vários fatores12, incluindo o subtipo e classificação da Leucemia Linfoblástica Aguda Pediátrica (pALL), possíveis efeitos colaterais, idade e saúde geral. É melhor consultar sua equipe de atendimento sobre qual é a melhor jornada para seu filho.

QUIMIOTERAPIA PARA AGUDOS PEDIÁTRICOS LEUCEMIA LINFOBLÁSTICA (pALL)
RADIOTERAPIA PARA AGUDOS PEDIÁTRICOS LEUCEMIA LINFOBLÁSTICA (pALL)
TERAPIA DIRECIONADA PARA AGUDOS PEDIÁTRICOS LEUCEMIA LINFOBLÁSTICA (pALL)
TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO PARA LEUCEMIA LINFOBLASTICA AGUDA PEDIÁTRICA (pALL)
IMUNOTERAPIA PARA AGUDOS PEDIÁTRICOS LEUCEMIA LINFOBLÁSTICA (pALL)

QUIMIOTERAPIA PARA AGUDOS PEDIÁTRICOS
LEUCEMIA LINFOBLÁSTICA (pALL)

Um processo de tratamento padrão13 para pALL envolve uma combinação de medicamentos conhecidos como R-CHOP. O medicamento entra na corrente sanguínea e atinge todo o corpo, tornando este tratamento útil para cânceres como a leucemia.

Esta é uma das formas mais comuns de tratamento da Leucemia Linfoblástica Aguda Pediátrica (pALL), com uma taxa de recuperação de 98% para crianças e 80%-90% para adultos jovens.14 No entanto, é uma opção de tratamento de longo prazo que tem efeitos colaterais intensos durante os primeiros meses.

  • ~ 10%-20% dos pacientes experimentam o retorno do câncer (recaída) após a recuperação da quimioterapia15, com o tratamento se tornando menos eficaz ao longo do tempo16

EFEITOS COLATERAIS COMUNS

Os efeitos colaterais da quimioterapia dependem do tipo e da dose dos medicamentos administrados e do tempo em que são administrados. Estes podem incluir:

  • A perda de cabelo
  • Feridas na boca
  • Perda de apetite
  • Náusea, vômito, diarréia
  • Aumento do risco de infecções (por ter muito poucos glóbulos brancos normais)
  • Fácil hematomas ou sangramento (por ter poucas plaquetas no sangue)
  • Fadiga (por ter poucos glóbulos vermelhos)

RADIOTERAPIA PARA AGUDOS PEDIÁTRICOS
LEUCEMIA LINFOBLÁSTICA (pALL)

Terapia de radiação17 usa radiação de alta energia para matar células cancerosas. Embora não seja o principal tratamento usado para tratar a Leucemia Linfoblástica Aguda Pediátrica (pALL), é usado para tratar a leucemia que se espalhou para o cérebro e o líquido espinhal e é um passo fundamental antes que os pacientes sejam submetidos a um transplante de células-tronco.

EFEITOS COLATERAIS COMUNS

Os possíveis efeitos colaterais de curto prazo dependem de onde a radiação é direcionada e podem incluir:

  • Alterações na pele semelhantes a queimaduras solares
  • A perda de cabelo
  • Náuseas, vômitos, diarreia (da radiação para o abdômen)
  • Fadiga
  • Aumento do risco de infecção

TERAPIA DIRECIONADA PARA AGUDOS PEDIÁTRICOS
LEUCEMIA LINFOBLÁSTICA (pALL)

terapia-alvo18 usa novos medicamentos que foram desenvolvidos para atingir partes específicas das células cancerígenas. Eles são usados ​​em vez ou junto com a quimioterapia.

Medicamentos direcionados, como inibidores de tirosina quinase (TKIs) ajudam a detectar uma proteína específica, o cromossomo Filadélfia, que pode ser encontrado em cerca de 1 em cada 4 pacientes adultos com pALL. Assim, a terapia direcionada com TKI juntamente com a quimioterapia pode ajudar alguns pacientes a alcançar a recuperação completa.

EFEITOS COLATERAIS COMUNS

Para medicamentos direcionados frequentemente usados ​​para tratar pALL, os efeitos colaterais comuns incluem:

  • Diarréia, náusea, dor muscular, fadiga e erupções cutâneas
  • Inchaço ao redor dos olhos, mãos ou pés (possivelmente causado pelos efeitos dos medicamentos no coração)
  • Baixa contagem de glóbulos vermelhos e plaquetas quando o tratamento começa
  • Pode retardar o crescimento de uma criança, especialmente se usado antes da puberdade

TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO PARA LEUCEMIA LINFOBLASTICA AGUDA PEDIÁTRICA (pALL)

Transplantes de células-tronco19 visam substituir a medula óssea danificada por células saudáveis, que são prejudicadas (devido à quimioterapia ou radiação) ou doentes. As células saudáveis ​​que substituem as danificadas ou cancerosas são obtidas da medula óssea do paciente (transporte autólogo) ou de um doador adequado (transplante alogênico).

Existem 2 tipos de transplantes de células-tronco:

  • Transplante alogênico, onde as células-tronco vêm de outra pessoa ou de um doador compatível. Este é o tipo de transplante preferido no tratamento pALL, e os doadores geralmente são membros da família com o mesmo tipo de tecido que você.
  • Transplante autólogo, onde as células-tronco são coletadas do próprio corpo do paciente e salvas.

Ambos os tipos de transplantes ajudam os pacientes a criar células sanguíneas saudáveis, glóbulos vermelhos ou plaquetas e reduzem o risco de infecções, anemia e sangramento com risco de vida.20 No entanto, um transplante de células-tronco é um tratamento intensivo e complexo que pode causar efeitos colaterais com risco de vida e morbidades relacionadas ao transplante.

EFEITOS COLATERAIS COMUNS

A maioria dos efeitos colaterais de curto prazo21 são das altas doses de quimioterapia ou radiação e desapareceriam com o tempo à medida que seu filho se recuperasse. Os efeitos colaterais comuns incluem:

  • Maior risco de infecções
  • Contagens baixas de células sanguíneas
  • Pressão sanguínea baixa
  • Falta de ar, tosse, dor no peito ou aperto
  • Febre ou calafrios
  • A perda de cabelo
  • Náusea, vômito, diarréia
  • Feridas na boca
  • Perda de apetite
  • Fadiga
  • Hemorragia

Alguns efeitos colaterais podem ser duradouros ou aparecer muitos anos depois, como:

  • Crescimento de outro tipo de câncer
  • Problemas pulmonares
  • Danos a outros órgãos, como coração, rins ou fígado
  • Falta de períodos menstruais, o que pode significar danos nos ovários e incapacidade de ter filhos (infertilidade)
  • Problemas de visão causados ​​por danos ao cristalino do olho (catarata)
  • Danos nas articulações

Outro possível efeito colateral de longo prazo é a doença do enxerto contra o hospedeiro (GVHD). A GVHD só pode ocorrer com um transplante alogênico. Isso acontece quando as células do sistema imunológico nas células-tronco do doador atacam o corpo. As células podem atacar a pele, fígado, trato gastrointestinal (GI), boca ou outros órgãos e podem causar sintomas como:

  • Erupções cutâneas com coceira e bolhas
  • Amarelecimento da pele e dos olhos (icterícia)
  • Diarréia severa e cólicas abdominais
  • Nausea e vomito
  • Fadiga
  • Dores musculares

IMUNOTERAPIA PARA AGUDOS PEDIÁTRICOS
LEUCEMIA LINFOBLÁSTICA (pALL)

imunoterapia23 melhora o sistema imunológico para combater o câncer. Existem diferentes tipos de imunoterapias que ajudam o sistema imunológico de diferentes maneiras, desde inibidores do ponto de verificação imunológico que interrompem os ataques às células saudáveis, até ajudar a encontrar células cancerígenas ocultas e reprogramar células imunológicas para combater o câncer.

Anticorpos monoclonais são anticorpos fabricados projetados para atacar células específicas, como uma proteína na superfície das células de leucemia.

Ambos os medicamentos ajudam a tratar certos tipos de leucemia linfoblástica e adolescente de células B, geralmente após a tentativa de quimioterapia. Enquanto alguns medicamentos são administrados em infusão contínua durante 28 dias, alguns são administrados uma vez por semana durante 3 ou mais 4 semanas seguidas. Dependendo do paciente, este processo pode ser repetido por mais ciclos.

Terapia de células T com receptor de antígeno quimérico (CAR) é um tipo de imunoterapia celular adotiva que aumenta a capacidade natural do corpo de combater o câncer com a ajuda de células T modificadas.

EFEITOS COLATERAIS COMUNS

Antes de cada infusão de anticorpos monoclonais, os pacientes receberão medicamentos para prevenir efeitos colaterais, tais como:

  • Febre alta ou calafrios
  • Tonturas ou vertigens
  • Dor de cabeça
  • Níveis baixos de potássio no sangue
  • Fortes dores musculares ou articulares
  • Níveis baixos de potássio no sangue
  • Níveis baixos de células sanguíneas (com riscos aumentados de infecção, sangramento e fadiga)
  • Convulsões

Quando se trata de CAR-T terapia celular, todos os pacientes precisam ser monitorados cuidadosamente após recebê-lo. CAR-T a terapia celular pode apresentar sérios efeitos colaterais que variam de leves a potencialmente fatais. Por exemplo, danos no cérebro ou no sistema nervoso (toxicidades neurológicas) resultando em convulsões, dificuldade em falar e entender e perda de equilíbrio; e Síndrome de Liberação de Citocinas (CRS), uma condição que pode levar a sintomas semelhantes aos da gripe, incluindo:

  • Dificuldade em respirar
  • Febre
  • Calafrios ou calafrios
  • Náuseas intensas, vômitos, diarreia
  • Fortes dores musculares ou articulares
  • Pressão arterial muito baixa
  • Tonturas ou vertigens

como funciona CAR-T terapia celular funciona?

CAR-T22

CAR-T terapia celular, ou terapia de células T do receptor de antígeno quimérico, é um tipo de imunoterapia que aumenta a capacidade natural do corpo de tratar o câncer usando células T modificadas.

CAR-T a terapia celular envolve a alteração das células T do corpo, um tipo de glóbulo branco encontrado no sistema imunológico, com novos receptores. Esse receptor é chamado de Receptor de Antígeno Quimérico, ou CAR, e ajuda a direcionar e impedir a disseminação de células cancerígenas no sangue.

CHIMERICO

A proteína CAR é chamada de “quimérica” (pronuncia-se ky-MEER-ic), pois os cientistas anexam essa proteína às suas células T para detectar melhor as características específicas das células cancerígenas. Na mitologia grega, uma “quimera” era um animal com cabeça de leão, corpo de cabra e cauda de serpente. Na biologia, uma quimera é um organismo que possui uma mistura de células geneticamente diferentes. Assim, “quimérico” significa ter partes de várias origens.

ANTIGÊNIO

Os antígenos são marcadores nas células cancerígenas que ajudam as células T a reconhecê-las como algo contra o qual se defender.

RECEPTOR

A proteína CAR, que atua como um dispositivo de rastreamento de células cancerosas, é adicionada às células T modificadas. Eles agem como um receptor ou um sinal porque agora podem procurar o antígeno correspondente nas células cancerígenas.

T-CÉLULA

Esses glóbulos brancos são uma parte vital do sistema imunológico que pode encontrar e impedir a propagação de células que foram infectadas ou se tornaram cancerosas. Essas células T são alteradas para melhor detectar e tratar as células cancerígenas.

CAR-T PROCESSO DE TRATAMENTO

1 COLETA DE CÉLULAS

1 COLETA DE CÉLULAS

COLETA DE CÉLULAS

1

Para coletar as células T, o sangue do paciente é coletado por meio de um processo chamado Leukaphereis. Este processo leva de 3 a 6 horas para extrair as células T do corpo.

COLETA DE CÉLULAS

2 FABRICAÇÃO DE CÉLULAS

2 FABRICAÇÃO DE CÉLULAS

FABRICAÇÃO DE CÉLULAS

2

As células T coletadas do paciente serão reprogramadas em CAR-T células em uma instalação de fabricação especializada. O processo geralmente leva de 3 a 4 semanas, mas o tempo e os resultados de fabricação podem variar.

FABRICAÇÃO DE CÉLULAS

3 INFUSÃO

3 INFUSÃO

INFUSÃO

3

Antes da infusão, o médico decide se é necessário um curto período de quimioterapia para preparar o corpo. Assim que a equipe de tratamento decidir que o paciente está pronto, o paciente receberá CAR-T células através de uma única infusão que leva menos de 30 minutos. Nesse estágio, o aumento das células CAR-T pode aumentar a competência imunológica do paciente (ou sua capacidade de resistir) contra as células cancerígenas.

INFUSÃO

4 MONITORIZAÇÃO

4 MONITORIZAÇÃO

MONITORIZAÇÃO

4

No curto prazo, o monitoramento regular para gerenciar os efeitos colaterais é essencial. Independentemente de a infusão ter sido recebida em ambiente hospitalar ou ambulatorial, será necessário permanecer próximo ao centro de tratamento por pelo menos 4 semanas.

MONITORIZAÇÃO

A longo prazo, a equipe de tratamento estabelecerá um plano de monitoramento para acompanhamentos contínuos. A Food and Drug Administration (FDA) recomenda que todos os pacientes sejam acompanhados por 15 anos após a infusão. A equipe de tratamento oferecerá ao paciente a participação em um registro de longo prazo realizado pelo Center for International Blood and Marrow Transplant Research (CIBMTR) para este acompanhamento. Esta informação é usada para ajudar futuros pacientes e contribui para a compreensão dos efeitos da CAR-T terapia celular no mundo real fora dos ensaios clínicos.

Как е CAR-T diferente de outras terapias?

Как е CAR-T diferente
de outras terapias?

CAR-T a terapia celular se destaca de outras terapias contra o câncer por ser uma terapia individualizada feita apenas para o paciente.

ícone

PERSONALIZADO E
VISADAS

A infusão de cada paciente é criada a partir das células T em seu próprio sistema imunológico. CAR-T as células podem permanecer ativas no corpo e agir como uma “droga viva” para interromper o crescimento de quaisquer novas células que possam se tornar cancerosas.20 Dados de longo prazo sugerem que alguns pacientes se recuperaram dentro de meses de tratamento, o que significa que todos os sinais e sintomas de sua leucemia desapareceram.

ícone

CONVENIENTE E
FLEXIBLE

Ao contrário de outros tratamentos, CAR-T a terapia é projetada para ser um tratamento único, com ou sem hospitalização (e pode ser feito em um ambiente de internação ou ambulatório). .

ícone

NENHUM DOADOR NECESSÁRIO

CAR-T a terapia não requer um doador, pois usa as próprias células para o tratamento. Assim, é útil para pacientes que podem ser inelegíveis para transplante de células-tronco devido a outras comorbidades, sem correr os riscos associados a um transplante. É considerada uma opção amplamente estudada e segura.

Как е CAR-T diferente de outras terapias?
Quando você deve considerar CAR-T?

Quando você deveria
considerar CAR-T?

Quando você deve considerar CAR-T?

CAR-T a terapia celular pode ser o próximo passo se os tratamentos iniciais não estiverem funcionando e o câncer tiver retornado. É importante buscar um segunda opinião para determinar se CAR-T a terapia celular é adequada para o seu filho.

A saúde das células T diminui com o tempo e também é afetada por linhas adicionais de tratamento, como a quimioterapia, que reduz as taxas gerais de resposta do seu filho a CAR-T terapia.

Devido à natureza agressiva da doença, As células T coletadas em estágios iniciais podem levar a melhores resultados e a uma maior chance de recuperação completa.24 As células T podem ser criopreservadas por até 2 anos.

Ícone de DownloadBaixe o guia de discussão aqui para apoiar as várias conversas com sua equipe de atendimento

Referências

  1. Brown, P., et ai. (2020). Leucemia linfoblástica aguda pediátrica, versão 2.2020, NCCN Clinical Practice Guidelines in Oncology. Journal of the National Comprehensive Cancer Network: JNCCN, 18(1), 81–112. doi:10.6004/jnccn.2020.0001

  2. Guia do cuidador para terapia Kymriah, 2019 (11/19, KYM-1223352) – extraído do recurso da Novartis

  3. Leucemia linfoblástica aguda (LLA). (nd-b). Recuperado em 11 de março de 2022, do site Kidshealth.org: https://kidshealth.org/en/parents/all.html

  4. Leucemia linfoblástica aguda (LLA). (nd-a). Recuperado em 11 de março de 2022, do site Stjude.org: https://www.stjude.org/disease/acutelymphobblastic-leukemia-all.html

  5. Searo (região do sudeste da Ásia). (nd). Recuperado em 11 de março de 2022, do site Who.int: https://www.who.int/cancer/countryprofiles/SEARO_profile082020.pdf

  6. Testes para leucemia linfocítica aguda (LLA). (sd). Recuperado em 11 de março de 2022, do site Cancer.org: https://www.cancer.org/cancer/acute-lymphocytic-leukemia/detection-diagnosis-staging/how-diagnosed.html

  7. Sinais e sintomas de leucemia linfocítica aguda (LLA). (nd). Recuperado em 11 de março de 2022, do site Cancer.org: https://www.cancer.org/cancer/acute-lymphocytic-leukemia/detection-diagnosis-staging/signs-symptoms.html

  8. Fatores de risco para leucemia linfocítica aguda (LLA). (nd). Recuperado em 11 de março de 2022, do site Cancer.org: https://www.cancer.org/cancer/acute-lymphocytic-leukemia/causes-risks-prevention/risk-factors.html

  9. Câncer Pediátrico. (nd). Recuperado em 11 de março de 2022, do site Com.sg: https://www.ncis.com.sg/Cancer-Information/About-Cancer/Pages/Paediatric-Cancer.aspx

  10. Yi, M., Zhou, L., Li, A., Luo, S., & Wu, K. (2020). Carga global e tendência de leucemia linfoblástica aguda de 1990 a 2017.Aging, 12(22), 22869–22891.doi:10.18632/aging.103982

  11. O que é Leucemia Linfoblástica Aguda na Infância? (nd). Recuperado em 11 de março de 2022, do site Kymriah.com: https://www.us.kymriah.com/acutilymphoblástico-leucemia-children/about-b-cell-all/understanding-b-cell-all/

  12. Leucemia – linfocítica aguda – ALL – opções de tratamento. (2012, 25 de junho). Recuperado em 11 de março de 2022, do site Cancer.Net: https://www.cancer.net/cancer-types/leukemia-acute-lymphocytic-all/treatment-options

  13. Quimioterapia para leucemia linfocítica aguda (LLA). (sd). Recuperado em 11 de março de 2022, do site Cancer.org: https://www.cancer.org/cancer/acutelymphocytic-leukemia/treating/chemotherapy.html

  14. O que você deve saber sobre Leucemia Linfoblástica Aguda. (nd). Recuperado em 11 de março de 2022, do site Kucancercenter.org: https://www.kucancercenter.org/news-room/blog/2020/10/what-you-should-know-acute-lymphoblastic-leukemia

  15. Recaída na Leucemia Linfoblástica Aguda (LLA). (2019). Cuidados com Leucemia.

  16. Cleveland Clinic Cancer. (nd). Resistência à quimioterapia. Recuperado em 11 de março de 2022, do site Chemocare.com: https://chemocare.com/chemotherapy/what-is-chemotherapy/what-is-drug-resistance.aspx

  17. Radioterapia para leucemia linfocítica aguda (LLA). (sd). Recuperado em 11 de março de 2022, do site Cancer.org: https://www.cancer.org/cancer/acute-lymphocytic-leukemia/treating/radiation-therapy.html

  18. Terapia-alvo para leucemia linfocítica aguda (LLA). (sd). Recuperado em 11 de março de 2022, do site Cancer.org: https://www.cancer.org/cancer/acute-lymphocytic-leukemia/treating/targeted-therapy.html

  19. Transplante de células-tronco para leucemia linfocítica aguda (LLA). (nd). Recuperado em 11 de março de 2022, do site Cancer.org: https://www.cancer.org/cancer/acute-lymphocytic-leukemia/treating/bone-marrow-stem-cell.html

  20. T, J. (2011). Transplante de Células-Tronco - Tipos, Riscos e Benefícios. Journal of Stem Cell Research & Therapy, 01(03). doi:10.4172/2157-7633.1000114

  21. Leucemia linfocítica aguda (LLA): Transplante de células-tronco. (nd). Recuperado em 11 de março de 2022, do site Rochester.edu: https://www.urmc.rochester.edu/encyclopedia/content.aspx?contenttypeid=34&contentid=BALLT12

  22. Imunoterapia para leucemia linfocítica aguda (LLA). (sd). Recuperado em 11 de março de 2022, do site Cancer.org: https://www.cancer.org/cancer/acute-lymphocytic-leukemia/treating/monoclonal-antibodies.html

  23. CAR T Guia do Paciente e Cuidador, Falando Francamente Sobre o Câncer, Comunidade de Apoio ao Câncer e Gilda's Club, Capítulo 1 Página 2

  24. Künkele,A,.Brown, C., Beebe, A., Mgebroff, S., Johnson, A, J., Taraseviciute, C.mA., Rolcyzynski, LS, Chang, CA, Finney, OC, Park, JR, & Jensen, MC (2019). A fabricação de células T receptoras de antígeno quimérico a partir de unidades de células-tronco de sangue periférico criopreservadas mobilizadas depende da depleção de monócitos. Biology of Blood and Marrow Transplantation, 25(2), 223-232. https://doi.org/10.1016/j.bbmt.2018.10.004

X

Aviso Legal:Este é um site global para informações sobre CAR-T Terapia Celular e destina-se a pacientes e cuidadores fora dos EUA. As informações no site não são específicas do país e podem conter informações que estão fora da indicação aprovada no país em que você está localizado.